domingo, 15 de maio de 2016

Os Francos Cefas da Guiné-Bissau

Um dos desafios que os estrangeiros enfrentam na Guiné-Bissau sobretudo nos primeiros dias é o do dinheiro. Converter Euros na moeda da Guiné-Bissau, ou seja em Francos CFA, pode revelar-se a princípio uma tarefa difícil pela desproporção numérica entre as duas moedas. Um único euro vale 655,99 francos CFA. Os Francos CFA (Comunidade Financeira Africana) são uma moeda comum a oito países da África Ocidental: Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal, Togo e Guiné-Bissau que a adoptou também em 1997. Um facto com o qual Portugal nunca lidou muito bem, mas isso é outra conversa. Os guineenses popularizaram-na sob a denominação de cefas, omitindo o franco e crioulizando o CFA. A moeda foi criada pelos franceses ainda na época colonial para circular nos seus territórios da África Ocidental e continua ainda na actualidade a ser garantida pelo Tesouro Francês. As moedas e as notas no entanto, só têm de francês a sua garantia e as frases escritas certificando a sua origem. Tirando as frases, são moedas e notas que falam africano. Num grafismo apelativo onde invariavelmente está presente o Peixe-Serra estilizado, símbolo mitológico regional da fecundidade e da prosperidade, a fazer lembrar à primeira vista uma máscara africana.


As moedas e notas, assemelham-se ao euro, em muitos aspectos. A moeda de 250 Francos CFA é bimetálica, como as moedas de um e dois euros, mas aqui é a parte central que é dourada e o anel em redor que tem a cor prata. Na face ao continente africano na sua totalidade sobrepõem-se o Peixe-Serra estilizado e no reverso as espigas de milho e o valor facial. Convêm lembrar que embora reluzentemente bonita não chega a valer 40 cêntimos de Euro. Nas moedas de 200 e 500 aparecem também produtos agrícolas, cacau, café, banana e arroz sempre estilizados.

As notas são também uma maravilha em termos do grafismo que nos convoca a todo o momento à realidade e à riqueza de África. No reverso da nota alaranjada de 500 Francos CFA um casal de hipopótamos, na de 1000 em cor de tijolo um casal de dromedários da zona do Sahel, na azul de 2000 duas moreias nadando no fundo do mar, na verde de 5000 antílopes descansando na savana. A de 10000 Francos de cor violeta apresenta dois pássaros da selva lindíssimos de papo verde bordejado a negro. A frente das notas tem caracteristicamente uma nota de esperança e de futuro além do omnipresente Peixe-Serra, imagem de marca do Banco Central dos Estados da África Ocidental. Na de 10000 aparece uma arroba a lembrar as novas tecnologias da informação e comunicação e uma antena de satélite. Noutras os meios de comunicação, autocarros atravessando os rios, a vista aérea de um campo agrícola, circuitos eletrónicos e teclados numéricos, o continente africanos, motivos farmacêuticos, livros, ardósias e um globo terrestre.

Uma última nota sobre a dificuldade em se obter dinheiro na Guiné-Bissau. As caixas automáticas não aceitam habitualmente os cartões multibanco. À conta disso conheci a quase totalidade dos bancos de Bissau. Só nas caixas automáticas do aeroporto, do Hospital e do Ecobank perto da Praça dos Heróis consegui fazer levantamentos. Em Bafatá também fiz levantamento automático na caixa do Ecobank mas as comunicações muitas vezes falham. Os euros são bem recebidos e trocados em toda a parte e as transferências de dinheiro pela «Western Union» fazem maravilhas e resolvem todas as aflições pela sua rapidez.


quinta-feira, 5 de maio de 2016